Sabemos e já comentamos várias vezes aqui que a celulite estética está relacionada com o lipedema, que é um problema genético. Agora temos um trabalho cientifico relacionando diretamente a celulite estética, não a celulite infecciosa (erisipela) à genes bem identificados (ACE e HIF1A).

A celulite é um problema complexo que atinge as mulheres caracterizada por alterações na pele. Afeta principalmente as nádegas e as coxas, embora outras áreas do corpo, como o abdômen, também possam ser afetadas. É considerado pouco atraente e indesejado por muitas, pois confere à pele uma aparência covinha, semelhante a casca de laranja. Muitas pessoas com celulite grave buscam opções eficazes de tratamento e desejam saber como prevenir a doença. No entanto, a patologia da condição não é totalmente compreendida, dificultando a cura ou a prevenção de seu desenvolvimento. Anteriormente, foi sugerido que a presença de excesso de gordura subcutânea pode ser uma das principais causas de celulite, mas pesquisas recentes indicam que a formação de celulite é mais complexa do que pensávamos. Fatores hormonais, sistema microcirculatório, matriz extracelular, alterações inflamatórias sutis e possivelmente fatores produzidos por adipócitos (células adiposas) podem desempenhar papéis importantes na formação da celulite. Para entender melhor a fisiopatologia dessa questão cosmética generalizada, os pesquisadores investigaram fatores genéticos que podem contribuir para o seu desenvolvimento.  Esse novo estudo avaliou genes com possíveis correlações à essa alteração na pele em 200 mulheres. Foi examinado 25 polimorfismos em 15 genes candidatos.

Foi encontrado 2 polimorfismos relacionados com a celulite dentro desses 25. A relação estatística foi mostrada, agora temos que entender a influência de cada um desses genes e, assim, traçar uma estratégica para o tratamento e prevenção da celulite, de modo que as mulheres fiquem com as pernas bonitas!

O post Celulite é genética? apareceu primeiro em Vascular.pro.