Vi por estes dias, a veiculação da propaganda da revista RSVP, a qual, pelo que entendi, deverá ser um suplemento da famigerada Caras, que tratará especificamente de assuntos relacionados ao Grand Monde paulistano. Uma espécie de roteiro gastronômico, de compras e serviços, especialmente voltado aos bem-nascidos e bem-vividos da paulicéia. 

Tudo bem, tal publicação terá certamente o seu seleto público e, com o tempo, talvez venha a rivalizar com a Vejinha, outro balcão de anúncios suntuosos para bolsos abastados e gostos duvidosos.

Em minha modéstia suburbana, fico a conjeturar se é desse tipo de publicação que São Paulo, a grande São Paulo - a mãe que não rejeita ninguém, mas trata muito mal a maioria de seus filhos – estaria necessitando.

É notório que São Paulo tem um lado chique e cool no último. Mas também é notório para os menos hipócritas ou alienados, que é uma cidade cujas periferias estão impregnadas pelas mazelas sociais mais desumanas e torpes que podem afligir os cidadãos.

São Paulo precisa, isso sim, de publicações honestas e diversificadas, que mostrem tudo de bom que a cidade tem (E olha que São Paulo tem muitas pessoas decentes e coisas boas e simples, que não aparecem em guias finos como esse), mas também tudo aquilo em que ela precisa melhorar.

Falta atendimento digno e humano em hospitais e postos de saúde. Faltam creches e escolas bem equipadas e professores motivados. Faltam habitações decentes e obras de urbanização das regiões pobres e favelizadas. Falta transporte público rápido e eficiente, pois a maioria das obras viárias, quando são feitas, visam apenas melhorar o tráfego dos automóveis particulares. Faltam opções de lazer, esporte e arte para as crianças e jovens. Por outro lado, sobra criminalidade, tráfico de drogas e práticas corruptas e ilícitas. Falta vergonha na cara da classe dirigente de São Paulo para, em todas as instâncias diretivas e decisórias, agir com responsabilidade e espírito público, visando realmente melhorar as precárias condições de vida da maioria dos paulistanos. Mas não se preocupe. Nada disso estará na RSVP. Lá o mundo é cor-de-rosa e perfumado. E as pessoas são bronzeadas, malhadas, saradas e botocadas. As mulheres têm os cabelos lisos e sedosos e os homens sempre usam gel. 

Quanto aos leitores da RSVP, esses não precisam de nada que o Estado possa oferecer. Já têm transporte individual, terrestre e aéreo. Têm segurança particular, muito bem treinada e pronta para agir na incômoda presença de cidadãos comuns. Têm os melhores atendimentos que o dinheiro pode propiciar. Estudam nas melhores escolas, freqüentam os points chics indicados na revista. Não precisam do Estado. Vivem em redomas e condomínios fechados. Que se danem os comuns, jogados aos leões da violência urbana. Os VIP´s vivem muito bem em Sampa. Aliás, os ricos vivem muito bem em qualquer lugar do mundo, até na cadeia. Lêem Caras, Vejinha e RSVP, e ficam antenados quanto aos lugares a que podem ir, sem ter de passar o constrangimento de resvalar ou ombrear com gente de verdade. Chega às raias da indecência termos publicações voltadas apenas para o maravilhoso mundo dos grã-finos, em meio a todo o mar de injustiças e aberrações sociais que vivemos em São Paulo e no Brasil.      

 

PS: Fiquei curioso - sem a menor necessidade, diga-se - quanto ao que pudesse significar RSVP, e descobri o seguinte:

 

R.S.V.P. vem do francês: "respondez s`il vous plait", que significa "responda, por favor". A pessoa que enviou o convite deseja saber se você vai aceitá-lo ou não, ou seja, ela quer saber se você vai comparecer ao evento”.

Fonte de pesquisa: http://pessoas.hsw.uol.com.br/questao450.htm

 

Sigla bastante comum no dia-a-dia, e de fácil compreensão para o paulistano médio. Acho que só eu não sabia!