Que os tais "colunistas" da mídia tradicional sāo completos imbecís, nāo há novidade. Nós, que temos um pouco de bom senso, simplesmente ignoramos esses artigos. Tenho uma frase que traduz essa situaçāo: "Quem lê Veja?" (serviria para istoÉ, Exame, e todas as congêneres), que adiciono como comentário a postagens de amigos meus, de esquerda, que reclamam de alguma dessas matérias publicadas. 

O preocupante, no entanto, é que esses sujeitos resolveram pegar no pé da academia. Recentemente um sujeito chamado Rodrigo Constantino, que se define como "um liberal (sic) sem medo de polêmica", publicou um artigo intitulado "Psicólogos sakamotianos" em que critica idéias do Professor Francisco Razzo. Nāo vou entrar no mérito da discussāo, o Prof. Francisco publicou uma réplica a esse comentário que desmonta completamente os argumentos do autointitulado "liberal".

Tomei conhecimento disso por uma rede social, na postagem de um amigo que enaltecia as opiniōes do colunista como uma reaçāo à ideologia esquerdista dominante na academia. Como se trata de amigo sensato (apesar de direitista) eu comentei essa postagem, dando minha opiniāo sobre um dos temas tratados (interaçāo universidade - empresa) que conheço bem. O problema foram os outros comentários, todos de pessoas jovens que tem perfil nitidamente conservador. A um desse comentaristas tive que lembrar que a opiniāo que ele emitia era idêntica à usada pelos parceiros de Mao para justificar a revoluçāo cultural na República Popular da China (duvido que ele tenha entendido a ironia contida nessa afirmaçāo).

Isso apenas demonstra a existência de uma tendência perigosa de certos setores da direita, que vê professores universitários como inimígos e, quiça, como obsoletos. E nāo adianta contraargumentar! Você pode usar qualquer argumento sensato e ele será jogado fora, apenas porque você é professor universitário. E há professores universitários conservadores, acreditem em mim. Isso é preocupante, porque esse movimento nega valor ao argumento, é fundamentalmente fascista (os nazistas usaram essa estratégia no início do movimento) e glorifica a burrice e a truculência.

O pior de tudo é que há colegas meus, professores universitários, que apoiam esses "colunistas". Me pergunto se eles percebem o perigo do que estāo fazendo.