Há gente tentando associar o tal impeachment da Dilma ao impeachment do ex-presidente Collor. Penso que essas pessoas cometem um erro grave. O ex-presidente Collor nao sofreu impeachement por ser corrupto. Que ele era corrupto, todo mundo já estava careca de saber. Me lembro de ter lido uma reportagem, acho que foi no finado Jornal da Tarde, no começo do seu (des)governo, que detalhava todos os esquemas que depois ficaram conhecidos, em particular o papel do PC Farias e a conexao Uruguaia. Me lembro que li tudo aquilo e fiquei com a clara impressao de que isso nao daria em nada. Veio entao a famosa entrevsta do Pedro Collor à Veja. Foi um escândalo, sim (para quem nao sabe, ou se esqueceu, teve um triangulo amoroso no meio). Houve a CPI. Provas eram levantadas e detalhadas nos jornais e revistas semanais e mesmo a globo nao conseguia ficar de fora (conta-se, a portas fechadas, é claro, que todo esse movimento aconteceu porque a camarilha do Collor tinha decidido tomar para si todo o dinheiro da corrupçao, ou seja, todo o discurso moralista era, provavelmente, hipócrita, como agora). Eu acompanhava esses desenvolvimentos nos jornais (televisivos ou nao). Em 1992 eu estava no meio do meu mestrado e tinha coisa melhor para fazer que perder tempo com noticiário. 

Eu estou me usando como exemplo, porque me sinto como um representante da maioria da populaçao, que nao era diretamente ligada aos principais partidos em disputa. Veio entao a conversa sobre o eventual pedido de impeachment. Eu via tudo isso com ceticismo. Via as declaraçoes, mas minha impressao era que os políticos estavam, na verdade, fazendo campanha eleitoral para 1994 e que ninguém pensava seriamente em levar o presidente ao impeachment. É claro que havia gente seria pensando nisso, a maioria da populaçao também ainda nao esquecera o confisco da poupança e a inflaçao havia voltato com força depois do desastre do plano Collor, portanto o apoio que o ex-presidente possuira no início do governo, havia sumido. Haviam também minifestaçoes contra o presidente, mas elas atraiam os militantes de sempre. O DCE, o SINTUSP e a ADUSP faziam retórica contra o Collor, mas, entendam bem, eu nao suportava o sujeito, eu só nao acreditava que o impeachment sairia.

Entao veio o acontecimento que mudou tudo. Em um evento de suposto apoio de 3000 taxistas de Brasilia no dia 13/08/1992, o Collor fez um pronunciamento pedindo que a populaçao vestisse verde-e-amarelo no domingo seguinte (dia 16), em apoio a ele. Eu assisti esse pronunciamento no Jornal Nacional (ainda assistia a Globo às vezes na época) e fiquei possesso. Lembro que prometi a mim mesmo que eu vestiria negro (em sinal de luto pelo país). Eu ia fazer isso espontaneamente, sem que ninguém tivesse dito. Nos dias seguinte, entretanto, os boatos começaram a circular na USP, muita gente tinha chegado à mesma ideia, outras diziam que iriam usar verde-e-amarelo, mas para protestar contra Collor, e nao a favor dele. Ficou agendado que todo mundo se encontrasse naquele anfiteatro que fica ao lado da Filosofia, de onde era gravado um programa ao vivo da TV Cultura no domingo. Foi uma tirada de gênio, dessa forma a imprensa nao poderia esconder. 

Eu fui participar do evento, estive lá. O clima era festivo, como é característico de nossa populaçao. Foi isso o que viabilizou o impeachment. O que eu quero dizer com isso é que o Collor sofreu o impeachment nao foi por causa da corrupcao (apesar desta ter sido a desculpa). Ele sofreu o impeachment, por causa de sua incrivel arrogância, que levou muita gente a decidir lutar ativamente por seu afastamento. 

E quanto a hoje? Como explicar que as manifestaçoes marcadas para hoje fracassaram fragorosamente? A questao evidente é que nas vezes anteriores havia muita gente bem intencionada, que caira no conto da carochinha de que só o governo atual é corrupto nesse pais. Os eventos dos últimos dias (e o comportamento escandaloso dos deputados no Congresso) devem ter convencido esses bem intencionados de que todos os políticos sao corruptos. Nao digo que os índices de popularidade da presidente subiram magicamente, mas sim que os eventos que acontecem em Brasilia tiveram o efeito inverso do discurso do Collor.