Motivação para fazer exercícios

28 de Setembro de 2009, por Desconhecido - 0sem comentários ainda
O que significa motivação?
Energia, necessidade, desejo que regula a direção, intensidade e persistência do comportamento e é dirigida a certos objetivos.
É aquilo que dá energia, direciona, mantém e sustenta um comportamento.
O termo é usado para os estados e processos psicológicos conscientes e inconscientes, hereditários e aprendidos que na linguagem comum é descrito pelos termos: afeto, motivo, necessidade, urgência, atitude, sentimento, interesse, desejo, vontade etc. A motivação ocorre antes, durante e depois da atividade esportiva.
O que é motivo?
Motivo é qualquer fator que estimule ou contribua para um esforço consciente em direção a uma meta. Estes fatores são importantíssimos para quem faz qualquer atividade, pois você tem sempre que ter um objetivo e se empenhar para alcançá-lo.
Não espere a doença chegar. Pratique exercícios físicos a partir de agora!
Assim, muitas pessoas, principalmente as que não gostam de fazer exercícios, apesar de saberem a necessidade que temos de fazê-los para termos uma vida saudável, precisam de um fator motivante para arrumar um tempinho e se exercitar com regularidade.
  • Sem dúvida estes fatores variam de pessoa para pessoa. Mas, no geral, os que tem dado mais resultados são:
  • Fazer aulas com um Personal Trainer.
  • Doenças já adquiridas. É impressionante como as pessoas preferem chegar à doença para mudar o estilo de vida.
  • Conhecimento dos benefícios do exercício.
  • Se exercitar com um amigo.
  • Fazer exercícios com rádio, TV e outro fator motivante.
  • Algumas pessoas preferem o silêncio.
  • Fatores estéticos.
  • Prazer conquistado.
  • Elogios adquiridos.

Há outros fatores importantes. Estes têm funcionado muito bem. Este tema é muito vasto. Recentemente, recebemos um texto de uma das assinantes que vem de encontro com este tema. Passamos a vocês um texto enviado pela assinante Bibica sobre este fator indispensável a todos nós e principalmente para você que está começando e não gosta de fazer exercícios:

Dez dicas para você se sentir motivado a se exercitar diariamente.
1. Conhecer os benefícios dos exercícios físicos : nós somos mais motivados a fazer coisas que serão benéficas para nós. Quanto mais nós nos beneficiamos, mais nós ficamos entusiasmados. Por exemplo, se eu dissesse para você que te daria um milhão de dólares para você caminhar 30 minutos amanhã de manhã, você aceitaria? É lógico que você aceitaria! As vantagens do exercício não são tão convincentes como essa, mas elas são de grande estímulo! Você irá se beneficiar tremendamente do exercício consistente. Para muitas pessoas isso é muito motivante.
2. Crie sua lista pessoal de razões: deixe um pedaço de papel e uma caneta próximos de você por alguns dias. Anote CADA motivo que você lembrar para você querer ficar saudável, com um bom preparo físico e perder peso através de exercícios consistentes. Exemplo vida real: eu falei com uma senhora, há alguns meses atrás, que só conseguia encontrar duas razões para perder peso e ficar em forma. Eu pedi a ela que pensasse sobre o assunto por mais alguns dias, e ela trouxe uma lista com mais de 30 razões, dentre elas:

  • Ter mais energia para passar um tempo valioso com sua família à noite.
  • Ser capaz de vestir todas as roupas do seu armário.
  • Ser capaz de desfrutar uma vida longa e saudável.
  • Ter tempo com suas crianças, seu marido e seus netos (eventualmente).
  • Não se sentir desconfortável em público.
  • Não ficar sem fôlego ao subir escadas.
  • Ser capaz de fazer coisas "agitadas" com sua família e amigos.
  • Ser capaz de brincar no chão com suas crianças.
  • Ser capaz de vestir roupas bonitas.
A lista dela continua, mas você pegou a idéia.
Faça uma lista longa, extensa. Isto pode não parecer importante, mas é crítico você poder ler esta lista quando sua motivação para exercitar está diminuindo. É um modo poderoso para se sentir "re-motivado" rapidamente!
3. Se exercite com um amigo. Segundo as estatísticas, pessoas que fazem exercícios com amigos são mais bem sucedidas em se exercitar consistentemente. Você pode deixar cada um responsável. Saber que alguém espera por você para se exercitarem juntos pode ser uma grande motivação para você aparecer e concluir seu exercício!
4. O exercício deve ser a primeira coisa pela manhã, todas as manhãs. Se você está levando a sério essa história de se exercitar, então aja com seriedade sobre o assunto. Nossos corpos foram feitos para serem ativos em uma base diária e quando nós estamos ativos, todos os tipos de coisas maravilhosas acontecem. Nós conseguimos até saúde e boa forma! As pessoas que se exercitam de seis a sete dias na semana, sendo o exercício a primeira coisa que elas fazem pela manhã, são mais bem sucedidas em se exercitar consistentemente, do que aquelas que o fazem dois ou três dias por semana. Não precisa ser um treinamento gigantesco todos os dias. Vá lá fora e ande 30 minutos.
5. Treine para uma caminhada local de 5km ou 10km ou corrida na sua região. Isso pode ser uma grande motivação para o exercício numa base regular. Eu tenho visto muitas pessoas se transformarem de viciados em televisão em magros, quer dizer, máquinas de exercício, porque elas decidiram entrar e treinar para uma competição como esta. Não pense que você não consegue. Você pode fazer isso sim!
6. Dê uma recompensa a si mesmo! Exemplo da vida real: Claire, de Atlanta, me disse que ela colocava $3 no cofrinho toda vez que ela se exercitava. Ela se deu a liberdade para gastar esse dinheiro em coisas que ela normalmente não compraria para si mesma. Ela disse que freqüentemente acabava tendo mais de $70 por mês!
7. Anote seus recordes: Anote seu tempo de exercício (em minutos) a cada dia. Anote o total de corrida para o mês e o ano. Calcule sua média de tempo de exercício por dia. Use algum grande objetivo.
8. Faça com que seu exercício seja o mais agradável possível. Por exemplo, se você caminha, você pode querer começar com um bom cassete ou CD player para ouvir música etc. Se você se exercita dentro de casa, você pode ver TV enquanto faz exercício. Por outro lado, você pode justamente preferir paz e tranqüilidade. Faça o que for para tornar o exercício mais agradável para você. Vai ser muito mais provável você se exercitar consistentemente se você gostar disso.
9. Use tênis apropriados para o exercício que você está fazendo. Ferimentos afetam seriamente sua motivação para os exercícios. A maioria das pessoas, especialmente aquelas que caminham e correm, usam seus tênis por muito tempo. Tênis gastos causam maior propensão a ferimentos.
10. Veja os resultados e receba elogios. Isso é realmente motivante! INVISTA NISTO!
atéria assinada por:
Valéria Alvin Igayara de Souza
CREF 7075/ GSP
Especialista em treinamento.


Acabe com o efeito sanfona!

6 de Setembro de 2009, por Desconhecido - 22 comentários

As pessoas que desejam emagrecer e optam por algo radical, como jejuar, alimentar-se só de líquidos, cortar totalmente alguns grupos de alimentos e fazer uso indiscriminado de remédios, provavelmente não tem uma noção clara de que o excesso de peso é um problema sério, que deve ser tratado de forma equilibrada, isto é, respeitando o corpo e suas necessidades.
Quando o emagrecimento não faz parte de um processo consciente, ao conquistar o peso desejado a pessoa volta a comer de forma inadequada e engorda novamente. Por isso, muitos endocrinologistas constatam que quem vive de “dieta” estará acima do peso considerado saudável num futuro não muito distante. A obesidade deve ser vista como uma doença crônica, que deve ser tratada pelo resto da vida, através da mudança de hábitos alimentares e do modo de se relacionar com a comida.
O efeito sanfona pode ser considerado uma “vingança” do organismo para fazer o corpo voltar a ter o peso que tinha antes do emagrecimento. Isso ocorre porque o cérebro tende a manter o maior peso que a pessoa já teve, pois as células de gordura adquiridas na infância e na adolescência não morrem, apenas “murcham”. É necessário que o organismo passe muitos anos numa determinada faixa de peso para se adaptar a esse novo peso. Uma coisa é certa: não existe milagre, remédio ou dieta para emagrecer definitivamente, sem que aconteça uma mudança de comportamento. Essa é a regra básica para quem deseja emagrecer e se ver livre do efeito sanfona. É fundamental aprender a comer, porque não é possível seguir uma alimentação fora dos padrões e tomar remédios a vida inteira. Mais do que se submeter à regimes alimentares severos, é necessário mudar de atitude perante a vida e o prato de comida.
“Não existe milagre, remédio ou dieta para emagrecer definitivamente, sem que aconteça uma mudança de comportamento. Essa é a regra básica para quem deseja emagrecer e se ver livre do efeito sanfona”
O emagrecimento deve ser um processo lento e gradual, conforme os hábitos vão se modificando. Se a pessoa não consegue controlar a quantidade e a qualidade do que come e se boicotar a alimentação saudável com ataques constantes à geladeira, seu problema deve ser analisado não só por um nutricionista, mas também por um psicólogo.
Há pelo menos dois bons motivos para não descontar os problemas na comida. O primeiro porque o verdadeiro problema não será resolvido dessa forma e o segundo porque se agravará ainda mais a obesidade. Tratar as causas de alguns problemas emocionais pode ser fundamental para que o emagrecimento ocorra e perdure. Perder e recuperar o peso pode ter efeito psicológico negativo. Depressão , desânimo e sentimentos negativos são freqüentes em pessoas que emagrecem e depois engordam novamente. São comuns pensamentos negativos, como não sou capaz; sou um fracasso; jamais vou conseguir; me odeio por isso. A auto-estima diminui muito, e é comum a pessoa se isolar, com vergonha do próprio corpo e como punição pelo que considera falta de capacidade para concretizar seus objetivos. Esses sentimentos fazem a pessoa se sentir fracassada e retardam a retomada do foco para as verdadeiras mudanças na alimentação e na atividade física.
Quem deseja emagrecer deve estar psicologicamente preparado para comprometer-se com mudanças no estilo de vida para o resto da vida.
Sanfona? Só nas festas juninas. E olhe que já é um instrumento um tanto fora de moda!
Coluna assinada por:
Flávia Leão Fernandes
CRP 06/68043
Psicóloga clínica, Mestre em Psicologia pela Universidade de Londres, Inglaterra e especialista em Psicologia Hospitalar com enfoque em obesidade.
Disponível on line em Acabe com o efeito sanfona



As 5 Regras de Ouro do Emagrecimento

6 de Setembro de 2009, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Se você está disposto a emagrecer, deve estar se perguntando o que deve fazer para alcançar este objetivo
Comer de forma moderada e fazer exercícios físicos são, certamente, atitudes necessárias para a perda de peso. Entretanto, apenas isto não basta, pois outros fatores podem vir a interferir no processo de emagrecimento. Assim sendo, abaixo estão listadas as 5 regras de ouro para a perda de peso:
1-) Avalie se você possui algum problema orgânico: considerando que o emagrecimento depende do ritmo metabólico do organismo, é importante que você se certifique de que não possui nenhum problema físico que possa interferir na perda de peso. Um organismo que funciona de
maneira correta, deve responder, mais cedo ou mais tarde, aos esforços da reeducação alimentar. Se você perceber que, mesmo com uma alimentação correta e com a realização de exercícios físicos, o emagrecimento não acontece, é hora de consultar um médico para avaliar o problema.
2-) Trate as dificuldades emocionais: o emagrecimento pode ser muito prejudicado pela presença de problemas emocionais. Transtorno de ansiedade, depressão, compulsão alimentar e transtorno bipolar são algumas doenças que trazem grande prejuízo à vida do indivíduo e que têm forte impacto sobre a perda de peso. Todos estes problemas podem ser tratados, desde que um psicólogo ou psiquiatra seja consultado.
3-) Tenha auto-disciplina e constância: o processo de emagrecimento depende da reeducação dos hábitos alimentares e da realização de exercícios físicos. Tudo isto exige uma reorganização da rotina e das práticas diárias. O sucesso destas mudanças depende da auto-disciplina e da constância das atitudes. Sem elas, o emagrecimento não passará de uma simples intenção.
“Com estas 05 regras em mente você poderá transformar em realidade o emagrecimento que tanto deseja!”
4-) Promova o envolvimento familiar: é importante que a família esteja ciente e contribua com a sua decisão de emagrecer. Obviamente, não é necessário que toda a família adote hábitos semelhantes aos seus, mas ela deve estar disposta a colaborar e facilitar seu processo de emagrecimento.
5-) Saiba perdoar os próprios erros: Ainda que você adote novos hábitos e que se esforce para manter a constância de suas atitudes, é importante que você compreenda que lapsos e recaídas fazem parte do processo de emagrecimento. Se você cometer algum deslize não o encare como uma derrota: tente compensar o excesso com exercícios físicos e volte a se alimentar de forma saudável. Aprenda com os erros e siga em frente!
Com estas 05 regras em mente você poderá transformar em realidade o emagrecimento que tanto deseja!
Coluna assinada por:
Flávia Leão Fernandes
CRP 06/68043
Psicóloga clínica,
Mestre em Psicologia pela Universidade de Londres, Inglaterra e especialista em Psicologia Hospitalar com enfoque em obesidade.
Disponível na Internet em http://cyberdiet.terra.com.br/cyberdiet/colunas/080602_psy_efeitosanfona.htm



Considerações sobre a Ansiedade - Exercícios físicos e redução da ansiedade

2 de Setembro de 2009, por Desconhecido - 22 comentários

O emagrecimento pode ser prejudicado pela presença de problemas emocionais, tais como a ansiedade. A teoria psicológica ajuda a identificar os sintomas, porém muitas vezes é necessária a intervenção de um psicoterapeuta ou psiquiatra, para obter um controle adequado sobre a ansiedade

1- Definição:
Ansiedade é um estado emocional com componentes psicológicos e fisiológicos que pode estimular o desenvolvimento humano. Ela se torna um distúrbio quando mostra-se desproporcional à situação que a origina, ou quando não existe um motivo específico para o seu surgimento.
2- A raiz da ansiedade:
Desde o nascimento, o ser humano é colocado face a face com as limitações de seus poderes. Essas limitações e vulnerabilidades fazem parte da própria condição humana e são as fontes universais de toda a ansiedade posterior. Exemplo: ao sentir fome ou sede, o bebê sente ansiedade até que seja satisfeito.
O planejamento alimentar para o emagrecimento depende do controle das nossas emoções
3- Ansiedade patológica:
A ansiedade patológica é uma questão de quantidade, e não de qualidade. É um determinado grau de ansiedade que passa a ser evidenciado por sintomas de sensação dolorosa e desconfortável, como um mecanismo de alarme.
4- Conseqüências da ansiedade patológica:
A ansiedade patológica prejudica o indivíduo, compromete seu bem estar e seu desempenho e dificulta sua preparação para enfrentar adequadamente situações ameaçadoras do cotidiano.
5-Transtornos alimentares relacionados à ansiedade:
Anorexia nervosa; bulimia nervosa; transtorno alimentar noturno; comer compulsivo, entre outros.
6- Ação da serotonina:
O ato de comer é afetado por substâncias químicas presentes no cérebro que regulam o estado emocional. A serotonina é alterada pelo estado de ansiedade, fazendo com que o cérebro aumente o desejo de ingerir carboidratos, na tentativa de regular o quadro afetivo, podendo causar ingestão alimentar excessiva e até obesidade.
7- Exercícios físicos e redução da ansiedade:
Exercícios físicos regulares liberam substâncias como a endorfina, que aumentam a disposição geral, trazem sensação de bem estar, reduzem o estresse diário e ajudam a diminuir a tensão e a ansiedade.

O planejamento alimentar para o emagrecimento depende do controle das nossas emoções. A ansiedade patológica compromete o objetivo de manter a saúde através do emagrecimento. O reconhecimento dos sintomas ansiosos e suas conseqüências podem ser o início de um tratamento com sucesso, que deve ser realizado por um psicólogo ou psiquiatra e pode envolver o uso de medicamentos e/ou a realização de psicoterapia.

Coluna assinada por:
Flávia Leão Fernandes
CRP 06/68043
Psicóloga clínica, Mestre em Psicologia pela Universidade de Londres, Inglaterra e especialista em Psicologia Hospitalar com enfoque em obesidade.
Disponível na Internet em Considerações sobre a Ansiedade





Dicas para elevar sua auto-estima

31 de Agosto de 2009, por Desconhecido - 22 comentários

Aqui estão algumas dicas para identificar e aumentar sua auto-estima:

O que é auto-estima?
É a opinião e o sentimento
que cada pessoa tem por si mesma. É ser capaz de respeitar, confiar e gostar de si. Você está de bem com seu corpo? Procure saber se está dentro de seu peso saudável. Saiba mais em Entender e melhorar a auto-estima


Melhor caminho para o autoconhecimento: diálogo interno veja em TÉCNICAS PARA MELHOR A AUTO-ESTIMA

Características da baixa auto-estima:
- insegurança
- inadequação
- perfeccionismo
- dúvidas constantes
- incerto do que se é
- sentimento vago de não ser capaz de realizar nada >> depressão
- não se permite errar
- necessidade de:
agradar
aprovação
reconhecimento


O que diminui a auto-estima?
- críticas e autocríticas
- culpa
- abandono
- rejeição
- carência
- frustração
- vergonha
- inveja
- timidez
- insegurança
- medo
- humilhação
- raiva
- e, principalmente: perdas e dependência (financeira e emocional)

Quando começa a se formar
[psy_autoestima3.jpg]

Na infância. A partir de como as outras pessoas nos tratam. Quando criança pode-se alimentar ou destruir a autoconfiança. Auto-estima baixa geralmente está relacionada a falsos valores. Crença que é necessária aprovação da mãe ou pai.


Para elevar a auto-estima é preciso:
- autoconhecimento
- manter-se em forma física (gostar da imagem refletida no espelho)
- identificar as qualidades e não só os defeitos
- aprender com a experiência passada
- tratar-se com amor e carinho
- ouvir a intuição (o que aumenta a autoconfiança)
- manter diálogo interno
- acreditar que merece ser amado(a) e é especial
- fazer todo dia algo que o deixe feliz. Pode ser coisas simples como dançar, ler, descansar, ouvir música, caminhar.

Resultados da auto-estima elevada
- mais à vontade em oferecer e receber elogios, expressões de afeto
- sentimentos de ansiedade e insegurança diminuem
- harmonia entre o que sente e o que diz
- necessidade de aprovação diminui
- maior flexibilidade aos fatos
- autoconfiança elevada
- amor-próprio aumenta
- satisfação pessoal
- maior desempenho profissional
- relações saudáveis
- paz interior

Lembre-se:

"A pessoa mais especial e importante no mundo é você!

Coluna assinada por:
Rosemeire Zago
Psicóloga clínica com abordagem jungiana.
Desenvolve o auto conhecimento e ministra palestras
motivacionais.