O problema do populismo

Teoria, política e mobilização

 

Jeremiah Morelock & Felipe Ziotti Narita

 

Paco / Unesp, 2019

ISBN 978-85-462-1574-4 (impresso)
ISBN 978-85-462-1575-1 (e-book)

Amazon | Travessa | Livraria Cultura | Google Books | Apple Books

Casa del Libro (Espanha) | La Feltrinelli (Itália) | Bertrand (Portugal)

El Sótano (México)

 

  

 

  

 

"É fato conhecido que vivemos em uma época de crises em diversos níveis, contando com uma variedade de populismos. A erupção da crise econômica, a falta de confiança nas instituições liberais e na tecnocracia, o fracasso do projeto neoliberal e o crescimento das migrações e das ondas de refugiados deram voz para que partidos anti-establishment emergissem, de maneira dinâmica, por meio de fortes discursos populistas [...] Os autores corretamente definem populismo autoritário como os espaços onde populismo e autoritarismo se encontram. Como resultado, o populismo não é sempre autoritário e não é tomado por uma natureza interna não democrática. Autoritarismo e populismo podem coexistir em numerosos casos, mas esses termos não caminham necessariamente pari passu."

Grigoris Markou
Universidade Aristóteles de Tessalônica (Grécia)
Organizador do Círculo de Estudos sobre Populismo
Pesquisador do Observatório Populismus

 

"Há duas características que acentuam a importância desse estudo acerca do populismo. Primeiro, a erige de uma avaliação global sobre o fenômeno no século XXI, enquanto algo possível a partir da presentificação do mundo contemporâneo e de uma espécie de derrubada de fronteiras [...] O segundo ponto refere-se ao aprofundamento teórico, que não se encerra num flanco ideológico e nem em determinismos, mas pretende ver o populismo de forma multifacetada, de direita e de esquerda. O pensamento social procura encarar o populismo para além das mudanças políticas. Ao mesmo tempo, contudo, cabe refletir: o conceito de populismo pode não ajudar a reconhecer transformações que fazem parte da história do desenvolvimento político, a saber, a quebra de ciclos políticos, os giros ideológicos e a recomposição dos partidos. Nesse sentido, a vitória de Bolsonaro no Brasil talvez não tenha sido o triunfo eleitoral do populismo de direita ou de extrema direita, mas, no fim das contas, o retorno do conservadorismo na dinâmica política institucional e na representação social."

Luiz Carlos Ramiro Jr.
IESP-UERJ / UFF

 

Apresentação: Fruto de uma conferência conjunta proferida na Unesp em 2018, o livro de Jeremiah Morelock e Felipe Ziotti Narita enfrenta diretamente a questão do populismo, que voltou a ganhar destaque nas ciências sociais e no debate público. Os autores propõem uma reflexão multidirecional que agrupa temas a respeito de identidade, polarização, mobilização, poder e autoritarismo. A obra, então, discute os problemas de representação nas democracias liberais contemporâneas e destaca como as figurações de “o povo” produzem legitimação na arena política. Por meio de uma análise não-determinista do populismo, o livro destaca a dinâmica variada do fenômeno e suas relações ambivalentes com a democracia, tendo em vista transformações e pressões culturais disseminadas no terreno social, ou seja, fora dos canais da política formal.