A possibilidade da modelagem do fenômeno da dor pode auxiliar indivíduos que possuem uma síndrome que os torna insensíveis à dor. A implementação desse modelo através de redes neurais executadas diretamente em um chip possibilita futuras aplicações portáteis.

O trabalho apresenta a implementação de uma rede neural artificial do tipo MLP para a modelagem da dor em hardware, mais especificamente, em um circuito digital chamado FPGA. Tal implementação feita diretamente em circuito, em contraponto à simulação anteriormente realizada em software, abre portas para que futuros dispositivos que a utilizem, por exemplo, em síndromes de insensibilidades congênitas à dor, sejam de pequenas dimensões e possuam menor consumo de energia, fatores necessários para aplicações móveis.

A teoria da Comporta da Dor, permite relacionar impulsos aplicados a dois tipos de fibras neurológicas de transmissão de sinais associados à dor com o estimulo recebido por este fenômeno. A rede neural implementada executa a modelagem entre as duas entradas e a saída.

(artigo por Thiago Torres)