Ávida Liberdade

… há vida... a vida... ávida...
quero sentir cheiro de gameleira
contrastado com o olor do eucalipto
o perfume da roseira
a folha de goiabeira 
um poema de Nicanor Parra
Volver a los 17 com sua irmã
Violeta... viola a violência...
Deixa de lado e pule
“Moça à janela” de Salvador Dalí
E vem ver o sol nascer com os Novos Baianos
Preta, Preta, Pretinha!

Me deixe aqui pode sair
Com Vander Lee

Meu amor...
Deixa eu chorar até cansar
Me leve pra qualquer lugar
Aonde Deus possa me ouvir
Minha dor...

Eu não consigo compreender
Eu quero algo pra beber
Talvez, o vinho tinto de sangue
de Chico, meu guri, ai o meu guri, olha aí!

Quero lançar um grito desumano
Que é uma maneira de ser escutado
Um Skrik de Edvard Munch
a liberdade... há liberdade... ah liberdade!