Ola Belmiro !

Sem entrar no mérito da questão o que é "dentro do trem" e o que é "fora do trem",
vamos ao problema original que vc abordou :

A) O passageiro do trem acende uma luz do solo do trem que bate no teto do trem e volta.

B) O bilheteiro ( Na estacao do trem )  acende uma luz que bate no teto da estacao e volta ,
e é observado pelo passageiro do trem.


Pela teoria da relatividade , 
no caso A o tempo do passageiro transcorre mais lentamente que o do bilheteiro.
no caso B o tempo do bilheteiro transcorre mais lentamente que o do passageiro.

Esse caso é SIMILAR ao classico do PARADOXO DOS GEMEOS.

Como é classicamente resolvido? 

Para marcar os tempos o trem tem q parar e os relogios serem comparados.

MAS, para parar o trem tem que haver des aceleração e isso foge da relatividade restrita 
e passa para a geral. E , do ponto de vistra restritamente a relatividade especial
o paradoxo fica sem solucao.

ENTRETANTO, vou te "solucionar" o problema SEM ACELERAÇÕES: 

O Trem passa pela estação Momento 1 e depois de alguns Kms passa pelo MARCO. ( Um poste a beira do trilho)

Considere que tanto o passageiro quanto o bilheteiro  tiram uma foto dos seus proprios 
relogios no momento 1 e no momento 2. 

Ambos anotam a diferenca do tempo no papel. O Passageiro joga pela janela seu tempo 
para que o bilheteiro compare com o seu tempo.

Pergunta : 

Qual dos intervalos de tempo é maior? O do passageiro ou do Maquinista? 

Abs
Jocax

 

PS: Note que a situação é simetrica , pela teoria da relatividade vc nao pode dizer que necessariamente o TREM esta se movendo e a Estação parada.
Pode ser visto trocado, dai surge o paradoxo.  Pela simetria os relogios deveriam ter a mesma cadencia e nao um andando mais rapido que o outro.