Bom, hoje foi um dia muito estranho. Depois da segunda e terça eu finalmente tive um dia meu comigo mesmo, foi esquisito, me olhei face a face. Encarei meus medos e me vi ali sozinho, lendo um texto muito chato de linguística eu vi que o Paulo do primeiro bimestre, do segundo semestre de Letras estava perdido. Era um olhar meio vago daquele jovem, um pouco impreciso e difícil de explicar. Uma voz meio rouca na garganta, um nariz quase que sempre gripado, dores de cabeça e a presença de alguém que não estava presente. Quando me vi ali eu sabia que não era eu. Era um outro Paulo que estava precisando descansar um pouco e pulava as linhas do texto numa tentativa de sair daquela atividade estafante. Continuei ali, o dia era sempre dia e fazia sol. Carregava no meu corpo um casaco preto, o mesmo que sempre ando vestido. Apesar de estar meio sujo, eu gosto dele, sim eu gosto muito. Já faz tanto tempo que está comigo que considero parte de mim. Se não fosse ele eu não seria eu. Fui me a fila do bandejão e consegui pegar um bom local. Sentei-me em uma mesa vazia ou quase. Me deparei com pelo menos três de mim. Um que não sabia o que estava fazendo ali, sentia uma ruptura em sua rotina de cursos e palestras, outro que sentia fome e queria ver vídeos no youtube, tinha um que estava muito preocupado sem entender como as provas estavam chegando tão rápido e pensava em como podia desistir do curso. Naquele momento eu não era eu, eu era todos e que ficavam juntos somente para comer. Era uma reunião infernal, e apesar da mesa vazia, minha mente estava cheia, não de comidas, mas pessoas e pensamentos, cada Paulo e sua devida personalidade única. Quem deles era eu?

Emprego

Ontem me ligaram, de uma entrevista de quase dois meses atrás. Eu estava em reclusão e aquela ligação quebrou toda minha rotina bem programada comigo mesmo. Ele me disse com uma voz feliz que me mandaria um teste de personalidade para que eu respondesse, quem dos meus? Minha voz mudou bruscamente, a entonação ficou abafada e eu disse não. Ele ficou triste e tentou se justificar comigo. Eu disse que entendia e até queria, mas não. Achei tudo confuso.

Muitos cursos

Tenho feito cursos, estudado pra caramba. Sim, eu estudo muito. Leitura atrás de leitura, texto sob texto e ainda tenho de entender. É difícil ler algo com quatro cabeças pensado, mas eu tento. Pretendo concluir tudo até dezembro. Não sei, mas vou concluir. Preciso descansar meu corpo cansado.

Professores

Falo com alguns professores, é ridículo notar o quanto alguns deles se isolaram da função de lecionar. Estudaram tanto e se abstém da missão básica que é saber dar uma aula. Sinto pena de alguns professores, pois pensam que saber muito é ser bom, mas pensemos num tigre. Ainda que belo ele não é bom, e mesmo com muitos conhecimentos ele não nos consegue transmitir. Somente ataca e é atacado. Pobre do homem que não conhece o homem, pobre do professor que não aprendeu a ser aluno.

Prova semana que vem

Semana que vem eu tenho prova e o Paulo mais nerd vai responder, a questão é que ele está muito ansioso e pouco confiante. Isso é um problema grave. Ele tem se envolvido com algumas pessoas que não fazem seu tipo, e isso é triste. Pessoas que só estão na faculdade pra conseguir um diploma “uspiano” e se sentir “superior”. Se ele pudesse escrever esse texto, iria usar de muitas frases e palavras pra detonar esse uso da faculdade. Mas, prefere ficar ansioso para a prova. Como ele está bem ansioso ele não pensa, não se move e não estuda. Paulo está em pane.

Texto pra revisão

Há duas semanas atrás Paulo Publicou um texto, isso foi bom e ele ficou muito feliz. Mas, logo depois foi tomado pela vontade de escrever e não pode porque tinha de estudar. Ele sente-se preso em muitas obrigações que sequer lhe fazem feliz. Esse processo, diz ele, é difícil, mas necessário. O cara acha que pode mudar a educação e transformar a vida das pessoas através disso. Sinto dó de contar que tudo não vai dar em nada. Vou pedir pra ele continuar escrevendo, o ruim é que ninguém quer publicar e nem ele quer ler e revisar.

Blog

Eu vou mudar o intuito do blog, queria escrever para o mundo, mas ele é grande demais e já estou muito ocupado comigo mesmo. Queria escrever para ajudar as pessoas, mas esse processo tem sido minha própria terapia. Decidi. Vou escrever para mim mesmo, sobre meu processo e um dia, o Paulo ou os poderão ler e dizer algo. Espero que leiam e não fiquem mudo. Eu acho que eles vão ler. Sim eu vou ler. Ainda não sei se temos tempo. Agora sou eu que escrevo e até breve.