Ficha Técnica

Título: SOMOS1SÓ Gênero: Documentário País de origem: Brasil Ano: (?) Diretor: Toni Venturi(?) Duração: 52 min

O documentário pretende discutir as relações humanas de uma forma muito simples. Ademais falará de cultura e dispõe de filósofos, antropólogos e professores que se lançaram neste desafio de comentar os tópicos. No início do episódio a trama irá seguir os rastros de um macaco e um homem em uma conversa quase que paranoica acerca de grandes questões da humanidade (ainda) não decifradas e que geram debates até os dias de hoje. Além disso, essa comunicação entre as personagens é interrompida para que os entrevistados possam salientar seu ponto de vista, e também para apresentações pitorescas, daquilo que seriam grandes personagens de nosso tempo (por exemplo, Freud) que em uma função metalinguística falam de si mesmo e se auto explicam. Três planos são apresentados, outrora nem sempre estão em simbiose e podem apresentar-se como uma peça quebrada ou até mesmo incrementada de uma forma violenta na narrativa.

O início do documentário aponta para questões de evolução entre os homens e os animais, e em amplos diálogos há sempre uma intervenção de algum estudioso ou de personagens históricas supracitadas aqui. Inicialmente, é possível perceber que o homem se depara com um macaco (gorila?) em uma jaula, neste momento ele resolve fotografar a criatura e falar com ela. Neste diálogo o homem diz que ele (macaco) não é capaz de falar e não é evoluído, sem cultura e assim por diante. O macaco sai da jaula e juntamente com o homem vai conversando e pensando o mundo a seu redor. O animal em muitos momentos parece ser muito mais inteligente que o homem, e talvez, a proposta do documentário seja justamente essa, colocar o homem como a espécie humana e o macaco como toda a raça animal, porém o animal na trama tem voz e parece ser muito superior a raça humana.

Neste sentido, há um desprezo a raça humana na narrativa, sem deixar de considerar que é uma raça importante para a evolução e que conseguiu alcançar grandes feitos através de um pensamento estruturado, e uma prática predatória, que possibilitou a espécie dominar outros seres e domesticá-los para a servidão eterna. Ademais, os comentaristas na série pretendem introduzir não só questões que duvidem as práticas humanas, mas projetos que visam pensar novas formas de viver, e até mesmo de respeitar as demais espécies e pensar a própria natureza humana dominante.

Alguns dados científicos são apresentados através de uma narradora. Eles falam a respeito da destruição de nosso planeta e como estamos lidando com tais causas. As pessoas também têm voz na série e podem falar sua opinião sobre o mundo e os debates propostos. Passado a metade do documentário, uma das principais questões levantadas é a do consumismo e como lidamos com isso. Nesta etapa teremos a participação de uma psicóloga que vai falar sobre o vazio humano e como ele funciona na sociedade. Sendo assim, ela explica que quanto mais vazio somos internamente, mais temos desejos de compra e menos valorizamos aquilo que temos internamente.

O macaco e o homem também falam sobre essas relações e a essa altura do documentário (mais da metade do filme) ambos já conseguem falar de igual pra igual e até mesmo compartilham comidas e telefones móveis em uma relação de respeito e igualdade que transcende qualquer naturalidade humana.

Por fim, gostaria de evidenciar que o documentário começa de uma forma extremamente fraca e vai se desenvolvendo ao longo da narrativa. Inicialmente parece até pitoresco e ridículo a relação homem-animal no filme, e isso se torna extremamente secundário quanto aos especialistas que irão comentar uma série de assuntos. A película também peca por não abordar somente um assunto, mas tentar abarcar uma série de narrativas deixando todas elas com pontas soltas, incompletas e muito superficiais. Os assuntos são de interesse bastante comuns e podem ser vistos pelas mais diversas pessoas, no entanto não se aprofunda nenhuma questão e não há referências que nos leve a buscar algo além do que ali está sendo tratado.

Referências Bibliográficas

Instrumental SESC Brasil. A Cultura e a Casca de Banana – Somos 1 Só | Episódio Completo. Acesso em: 23 de outubro de 2019. Disponível em: .

Olhar Imaginário. Documentários. Acesso em: 23 de outubro de 2019. Disponível em: .

Sesc TV. Filosofia POP. Acesso em: 23 de outubro de 2019. Disponível em: .

TV Cultura. TERRADO1S. Acesso em: 23 de outubro de 2019. Disponível em: .

TV Brasil. Retratos de Fé. Acesso em: 23 de outubro de 2019. Disponível em: .