Os potenciais comunicativos da Internet

30 de Agosto de 2011, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Dia desses, estive em um Simpósio de Comunicação promovido por uma faculdade particular de São Paulo. A apresentação foi um pouco bisonha para os padrões acadêmicos brasileiros (a platéia teve que cantar o Hino Nacional, e houve um sorteio de livros da editora da instituição no final das falas), mas as duas exposições foram bastante inspiradoras. Hoje, trago algumas reflexões a respeito  do primeiro dia desse Simpósio, que podem  auxiliar na compreensão da própria capacidade do blog de promover discussões e debates significativos. Mas já aviso que não sou especialista na área da comunicação, e minha discussão pode parecer especialmente superficial para quem o seja.

 

Discutindo o conceito de "comunicação", o palestrante Ciro Marcondes Filho questionou até que ponto nossa sociedade - usualmente tida como "da comunicação" - comunica-se de fato. Para essa análise, distinguiu a ação comunicativa da simples emissão de sinais, em primeiro lugar, e da informação, em segundo.

 

Para uma simples emissão de sinais romper suas limitações e alcançar o status de informação, faz-se necessária a atenção do outro. Assim, alguém que utiliza os sinais emitidos por outro para um dado fim (após uma busca pontual na internet, por exemplo) transforma-os em uma informação para ele. Trata-se, portanto, de algo que não existe em si mesmo, sendo um conceito relacional: depende tanto de um emissor quanto de um receptor, e só pode ser entendido sob a perspectiva da utilização desse último.

 

Porém, ainda não basta informar para comunicar: segundo Ciro, no processo comunicativo algo acontece com as partes envolvidas:  emissor e receptor se transformam com a ação, sendo tocados em seu desenrolar. Nesse sentido, faz-se necessária uma espécie de "abertura ao novo" por parte dos dois, uma propensão a transformar-se com os sinais emitidos por seus interlocutores.

 

É nesse ponto que o palestrante diferenciou a capacidade comunicativa de interações do tipo face a face, físicas, daquelas virtualmente tocadas: no primeiro caso, haveria a possibilidade, em tempo real, de percepção de transformações ocorridas no interlocutor. Mudanças repentinas de opinião, concordâncias e discordâncias, insights inesperados, alterações na expressão facial e na postura corporal e outros sinais menores: pode-se notar o quanto o indivíduo foi tocado pela conversa no momento mesmo em que ela ocorre, pela simples observação da face do outro e pela dinâmica da própria conversação.

 

Já a grande maioria das formas de comunicação virtual - por exemplo, das típicas redes sociais, como os murais do Facebook - não permitiriam um controle apurado sobre os impactos causados pelos sinais emitidos. Aquele que escreve um tweet ou atualiza seu mural com alguma informação, própria ou compartilhada, têm uma capacidade fortemente limitada de percepção sobre possíveis transformações que tenha causado nos leitores dos sinais. Depende, por vezes, de respostas simplórias às suas ações online, previamente programadas, como a marca do "curtir" do Facebook - que, na realidade, diz-nos muito pouco a respeito. E o que pensar quando nossos amigos online NÃO curtem, compartilham ou comentam nossas mensagens? Há total ausência de resposta, como se discursássemos no escuro, sem saber se alguém nos está ouvindo - ou, mais profundamente, se esse mesmo alguém está sendo "tocado".

 

De todo modo, parece que, por muitas vezes, não é exatamente isso que importa; grande parte das intenções de uso das redes sociais parece condicionada à mera emissão de sinais unilaterais, e não a uma real comunicação, capaz de estender um diálogo relevante, com potencial de transformação individual. Alguém que escreve sobre seu dia-a-dia, sobre seus hábitos mais íntimos, por exemplo, parece suprir uma outra necessidade: a da auto-afirmação, do simples "aparecer", do mostrar-se vivo, existente, em uma sociedade que "apaga" aqueles que não se esforçam ativamente para aparecerem da algum modo. Nesse sentido, e evitando-se generalizações, pode-se afirmar que muitos usuários da internet dela apropriam-se para compensar malogros existenciais, colocando-se em evidência em um contexto de ausência de sentido das ações pessoais, cotidianamente sentida no mundo tido como "real".

 

Mas seria possível uma superação do mero papel da internet enquanto "prova de existência" dos indivíduos nela imersos? Seria ela capaz de fomentar uma real comunicação, possibilitadora de mudanças nas mentes dos internautas pela promoção de debates de substância? Ciro Marcondes, demonstrando certa limitação ao propor, tão somente, um retorno ao "encanto" das interações face a face e um "freio" na agitada vida contemporânea, não consegue analisar a fundo alternativas mais viáveis. Uma idealização das interações físicas pode beneficiar aqueles capazes de refletir sobre a utilização de seu tempo de vida, mas ignora os potenciais trazidos por essas novas formas de "comunicação", além de inviabilizar um olhar crítico, porém realista do futuro.

 

Assim, algumas questões permanecem sem resposta pelo palestrante: como utilizar as novas ferramentas disponibilizadas pela tecnologia para fomentar uma real comunicação, sem cair no simplismo de descartá-la de antemão, idealizando um modelo inalcançável? E em que medida certas formas de emissão de sinais já em operação no mundo virtual são capazes de fomentar essa comunicação transformadora? Quais as reais limitações dessa capacidade?

 

É nesse ponto que retomo a análise sobre o papel dos blogs. Interpretações simplistas - otimistas ou pessimistas - poderiam ser tecidas a respeito de seu potencial: considerando o sentido positivo que muitos lhes atribuem, eles seriam naturalmente capazes de promover importantes debates políticos, sociais e filosóficos; uma interpretação que seguisse a linha de raciocínio exposta por Ciro, por sua vez, resolveria a questão apontado que, assim como outros modos de emissão de sinais à distância, os blogs seriam incapazes de garantir uma real comunicação, ao invalidarem a possibilidade de percepção a respeito das transformações causadas nos leitores. Os modos de resposta às postagens - comentários e votos sobre a qualidade dos textos escritos - exporiam muita pouca informação a esse respeito, em comparação com as interações face a face, mais "palpáveis".

 

Saliento, uma vez mais, que essas visões simplistas deveriam ser evitadas. Desprezar ou idolatrar a comunicação online de antemão pode ser extremamente fácil; difícil é notar seus reais alcances e limitações. Ademais, os dias atuais tornam quase impossível fugir das novas tecnologias.

 

Pessoalmente, ainda acredito que vale a pena investir, apesar dos percalços, em tentativas de promoção de discussões no âmbito da virtualidade. Mas não escondo que torna-se mais fácil acreditar em tais potenciais comunicativos, em especial do chamado blog, quando há possibilidade de diálogo na seção de comentários: só ela (ou um encontro físico com um leitor) pode provar, ao menos em alguma medida ínfima, que não sou apenas mais um internauta discursando no escuro para uma platéia ausente ou inteiramente desinteressada.

 

Pedro Mancini

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 




Estação Angélica, Churrascão e os falsos argumentos de seus opositores

18 de Maio de 2011, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Resolvi sair de meu recesso auto-imposto por um instante para emitir minha opinião sobre o protesto ocorrido na Avenida Angélica, no último sábado


Muitos já escreveram sobre as razões dessa mobilização: o recuo do Governo do Estado de São Paulo da decisão de construir a Estação Angélica, supostamente devido à pressão de um grupo de moradores do bairro de Higienópolis (em meio a alguns comentários altamente preconceituosos). Mas hoje quero dar ênfase à  outra questão: as formas que a intolerância e o preconceito se revestem, camuflando-se com argumentos que, quando postos à prova, se dissolvem facilmente. 

Isso pode ser percebido não somente quando alguns dos contrários à estação do metrô insistem sobre a falta de necessidade da mesma, alegando, erroneamente, que há estações suficientemente próximas a serem utilizadas (se visitarmos qualquer metrópole européia que esses mesmos indivíduos provavelmente elogiam, veremos estações separadas por distâncias  muito menores do que as presentes). Podemos notar a transmutação do preconceito, igualmente, quando analisamos os discursos contrários à própria manifestação organizada pelo Facebook

Como se sabe, vários jovens revoltados com o recuo do Estado organizaram, via redes sociais, uma manifestação inusitada para protestar tanto junto às autoridades, quando contra os posicionamentos de representantes de moradores do bairro. Veio daí a idéia do "Churrascão da Gente Diferenciada", em referência às declarações de uma senhora moradora de Higienópolis que demostrava medo em imaginar seu bairro coberto de "drogados, mendigos" e afins

Algumas manifestações tímidas na internet condenaram essa atitude espontânea dos organizadores do evento, imediatamente taxando-os de "vândalos" que queriam causar "baderna" em um bairro nobre de São Paulo. Muitos dos contrários ao "Churrascão" quiseram deixar claro não ser contrários à implantação do metrô, considerando injusto serem "responsabilizados" pela manifestação preconceituosa de alguns moradores azedos; outros apareceram com o argumento de sempre, segundo o qual "o espaço público não deve ser ocupado por manifestantes"; outros, por fim, insistiam que apenas os habitantes do bairro tinham o direito de decidir sobre o futuro dos arredores, devendo ser sua opinião respeitada e acatada pelos demais. 

Bem, a própria forma como a manifestação decorreu já anula os receios desesperados dos que acusaram-na de "puro vandalismo": absolutamente nenhuma ocorrência violenta foi registrada, em uma manifestação bem-humorada, que contou com bem menos adeptos do que o esperado (menos de 1.000 estiveram presentes), a maioria composta por jovens das classes média e alta. É claro que não acho que as características da mobilização desqualificam suas intenções ou mesmo seu sucesso: é sabido que o número de pessoas que confirmam presenças em eventos pelo Facebook sempre é bem maior do que as que comparecem de fato. Além disso, a manifestação foi programada para um sábado, dia em que os trabalhadores do bairro, que  seriam os principais beneficiados pela construção da estação, por lá não trafegariam. E uma grande parte da população das classes mais baixas ainda não utiliza o Facebook e outras redes sociais como o Twitter com tanta frequência para participar em massa de um evento por lá arquitetado. De todo modo, foi um pequeno, porém firme passo, de forte conteúdo simbólico, em direção a um futuro pautado por mobilizações e protestos coletivos pela cidade, organizados via Internet.


Mas voltando às argumentações contrárias à referida mobilização.Qualquer um com um mínimo de senso crítico pode detectar algumas contradições graves nesses discursos. De alguns, vi partir tanto o argumento de que cabe aos moradores de Higienópolis decidir sobre a construção da estação, quanto a idéia de que a via pública não deveria ser ocupada por manifestantes. Mas vejam: ou consideramos Higienópolis uma região privada, ou pública! A contradição é evidente quando reivindicamos se tratar de uma via pública, mas que detém autonomia para tomar suas próprias decisões, indiferente à opinião de moradores de outros bairros que frequentam, por motivos profissionais ou pessoais, a região do entorno da Avenida Angélica. Higienópolis não é um feudo, meus caros.

E é evidente que cada um dos argumentos em isolado também pode ser desmantelado. Em primeiro lugar, a Cidade de São Paulo não pode ser vista como um conjunto de pequenos reinos independentes entre si, do mesmo modo que não podemos falar, em tempos de globalização, de uma nação absolutamente isolada das demais. Estamos falando de um emaranhado urbano complexo, em que moradores de um bairro distante precisam se deslocar por quilômetros para alcançar seus locais de trabalho, onde nos deslocamos para comparecer a consultas médicas, e para muitos outros fins. Assim, nenhum bairro é "propriedade" de seus moradores, sendo apenas uma parcela de um espaço públicouno e indivisível.  A decisão a respeito da construção do metrô não concerne apenas aos moradores de Higienópolis, portanto (que também seriam beneficiados, obviamente), tampouco a um conjunto pouco representativo dos mesmos (apenas cerca de 6% dos moradores do bairro assinaram a petição contrária ao Metrô), mas ao conjunto de habitantes da cidade. 

Com isso, resolvemos a questão de a Avenida Angélica constituir-se como espaço público ou como ambiente privado dos moradores do entorno. Mas, considerando que falamos de um espaço público e de interesse social, como avaliar uma mobilização que interrompe o seu fluxo, prejudicando a livre circulação de moradores e trabalhadores pela região? Como espaço público, a Avenida poderia ser apropriada dessa forma por um punhado de manifestantes inconformados?

Novamente, entramos em uma falácia sustentada por fraquíssimos alicerces. Se retomarmos o conceito fundamente da noção de espaço público, veremos que a ele concerniam os interesses coletivos da cidade, sendo ele indissociável da noção de política. Desse modo, não faz nenhum sentido reclamar da apropriação política do espaço público: é para isso que ele serve! No caso específico que discuto, para viabilizar uma manifestação por melhores condições de transporte para o conjunto da população paulistana. Trata-se de um movimento com uma autenticidade e legitimidade evidentes, não se resumindo à defesa de interesses privados, seja de empresas, seja de categorias profissionais - sendo que mesmo elas, já aproveito para afirmar, também têm o direito de se manifestar pela defesa de seus direitos. Uma democracia não deve se resumir à atividade eleitoral, corrompida e relativamente deslegitimada há tempos; para se aproximar de forma mais efetiva de seu tipo-ideal, mobilizações como a que ocorreu no sábado último são fundamentais, possibilitando a expressão efetiva - e não meramente formal - de anseios da sociedade, e a pressão produtiva das autoridades competentes. É claro que moradores de Higienópolis têm o direito de manifestar-se contra a instauração do Metrô em seu bairro (pois mais torpe e preconceituoso que seja o motivo); mas igual direito possuem outros indivíduos moradores de São Paulo. 

Com isso, volto à questão original: boa parte dos argumentos contrários à mobilização pelo Metrô na Angélica, oriundos de alguns moradores da própria região de Higienópolis, não passam de mecanismos para mascarar seus reais posicionamentos, muitas vezes pautados por um bairrismo tacanho ou por um  preconceito puro, fundado em uma idéia fabricada de usuários do transporte público como miseráveis e "delinquentes" (digo fabricada, pois a heterogeneidade dos usuários desse transporte é gritante, perpassando todas as classes sociais). Se ao menos  mais moradores preconceituosos e bairristas (vejam que não generalizo, pois sei que se trata de uma minoria) fossem como aquela suposta senhora que assumiu seu repúdio à "gente diferenciada", ao menos teríamos uma elite mais sincera, que não esconderia seu lado obscuro pelo uso de argumentos tão dissolúveis. 

Pedro Mancini



Juventude versus Experiência

1 de Abril de 2011, por Desconhecido - 44 comentários

Admito que parece idiota estabelecer uma comparação entre a experiência dos mais velhos e a paixão da juventude: além de a maioria das pessoas não poder ser definida como apenas “experiente” ou apenas “apaixonada”, havendo muitas posições intermediárias, cada um dos lados do espectro possui suas vantagens e desvantagens – nenhum é absolutamente bom ou ruim. Muitos dirão até que os dois lados da moeda são complementares por suas características, auxiliando-se mutuamente. A experiência sem a curiosidade e paixão da juventude parece vazia e sem propósito, e a paixão e o espírito de descoberta dos jovens é muito desperdiçado quando na ausência absoluta da experiência para direcioná-los apropriadamente.

Mesmo assim, arrisco-me a elaborar algumas comparações. Tive experiências, como todo mundo, tanto com pessoas mais jovens e apaixonadas, quanto com baluartes de sabedoria, que haviam adquirido massivos conhecimentos em sua luta cotidiana. Encantei-me com os dois lados; a paixão dos jovens é contagiante, e parece ser a essência da própria existência humana. Sedentos em provar seu valor a si mesmos e à sociedade, os jovens apaixonados dedicam-se às suas atribuições com uma vontade sincera, até mesmo agressiva - embora, muitas vezes, de modo ingênuo e pouco focado. 

Mais velhos, por sua vez, sempre têm algo a nos ensinar - mesmo quando já perderam boa parte de sua paixão juvenil, calejados pelo enfrentar de duros obstáculos. Podem não se dedicar às tarefas com tanta vontade quanto os mais jovens, mas utilizam todo o conhecimento adquirido para realizá-las com maior perfeição técnica. E, mais importante, em geral são capazes de transmitir sua sabedoria aos jovens, que sempre podem recheá-la com a sua paixão  peculiar.

Voltemo-nos, porém, aos principais problemas que encontramos quando levamos os dois lados da moeda ao seu extremo: a juventude apaixonada absoluta, de um lado, e a máxima sabedoria dos mais experientes, de outro. O que pode haver de pior em um e noutro caso? O que existe no “experiente desapaixonado” e no “inexperiente apaixonado”?

Ao meu ver, a pior conseqüência, no último caso, é a ignorância – a ausência de sabedoria que ocasiona em tomadas de decisão equivocadas. Embora esse seja um problema irritante, não é insolúvel; muito pelo contrário, é o pressuposto de todo o aprendizado: errar para aprender, desenvolver-se a partir dos próprios erros. É claro que a paixão pode obscurecer a necessidade de admitir os próprios erros (alguma sabedoria é necessária para isso, aliás), mas, em geral, esse grande “defeito” dos inexperientes é a própria solução para a superação de sua condição de ignorância. Com um mínimo de experiência que o tempo fornece, um jovem pode rapidamente aprender a minimizar sua ignorância, admitindo seus próprios limites.

É o oposto, porém, que me incomoda mais: os "experientes" que perderam qualquer intenção de aprender, apegando-se e isolando-se naqueles conhecimentos que a vivência lhes trouxe. Convencidos de sua superioridade prática, pelo tanto que viveram e pela relevância de suas experiências, vêem os jovens, heróis do presente, como idiotas pretenciosos; qualquer argumento que os últimos exponham pode ser rechaçado como “ignorância juvenil”, como um efeito colateral de sua falta de experiência. Por mais que muitas vezes possam ter razão nesse tipo de crítica, o simples fato de sempre se protegerem com ela é sintoma de seu fechamento para o mundo e suas novidades. Não reconhecendo o valor dos mais jovens, desprezam o próprio presente, deixando-o de compreendê-lo, para idealizar um passado que dominavam. São velhos desapaixonados pelo presente, dominados por um puro saudosismo.

É comum encontrar indivíduos dessa espécie por aí – nem sempre velhos, mas sempre com ferrugem em suas mentes -, nos mais variados ambientes. Profissionalmente, acreditando já deter pleno conhecimento de sua área, repetem frases de efeito e impõe sua perspectiva para compreender o mundo que o cercam - em um exercício com uma alta dose de narcisismo; aquilo que não se enquadra em seu modo de pensar é sumariamente ignorado, tal como a realidade em si. É cego perante a profundidade da existência alheia, já que acredita que dela nada mais pode aprender, afundado na ilusão de que já está cansado de conhecê-la. Desprovido da paixão e da necessidade por reconhecimento (muitas vezes já conquistado em lutas pregressas), torna-se relaxado. Sua experiência, acredita, já valida suas ações, a ponto de viver do “improviso” – entre aspas, pois não se trata de agir com espontaneidade, mas apenas repetir o que disse e fez mil vezes seguidas.

Uma associação interessante pode ser estabelecida com a ocorrência de acidentes de trânsito: os piores, que redundam em mortos e feridos graves, são ocasionados, em geral, por aqueles mais seguros na direção - e não por “neuróticos”, medrosos, que vão pensar mil vezes antes de pisar fundo em alguma rodovia. Aqui, entramos novamente na questão da idade: é óbvio que há muito mais jovens que se acham “bons de volante”, muito experientes e habilidosos, e acabam se matando por esse excesso de segurança na própria habilidade, do que pessoas de idade mais avançada. O “fechamento para o mundo”, decorrente de uma ilusória confiança nos próprios conhecimentos, aflige quase todas as idades (a exceção, talvez, seja a primeira infância). De modo similar, o conceito de “juventude” deve ser relativizado – não se trata de uma fase temporal determinada da vida, mas sim de uma forma de encará-la, que requer uma abertura ao mundo, uma curiosidade e uma humildade para sempre estar disposto a aprender (sem nunca de apegar profundamente aos conhecimentos que adquire, como se fossem absolutos e irrevogáveis).

Vale apontar que, pelas características próprias da sociedade contemporânea, pautada pela inovação constante, a "filosofia de vida" juvenil se torna ainda mais fundamental; os tempos em que a mera experiência e o apego às tradições provinham as melhores características pessoais para uma boa vivência social ficaram nos séculos passados, entre as chamadas “sociedades tradicionais”. Na era das redes sociais, dos smarthfones e iPads,  o papel do apego à experiência pregressa pode se limitar ao de verdadeiro grilhão para a adaptação social.  

Pedro Mancini



A queda do muro das redes e a a reunificação das identidades virtuais

16 de Março de 2011, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Em outras ocasiões, já escrevi sobre como as novas formas de sociabilidade online estimulam uma percepção de fragmentação das identidades pessoais. Precisando administrar inúmeros perfis virtuais, com suas redes de contato específicas, o indivíduo inserido em relações sociais intermediadas pela internet precisa demonstrar grande competência na arte de administrar papéis e ferramentas interativas: Facebook, Twitter, OrkutSkype, MSN, e-mail - várias formas de comunicação são utilizadas simultaneamente, cada  qual com seus instrumentos particulares.A autora Sherry Turkle já estabeleceu um paralelo entre essa fragmentação do self e a própria dinâmica do sistema operacional Windows, daMicrosoft: de forma similar a esse último (e, em partes, para adaptar-se a ele), o indivíduo precisa administrar várias "janelas" autônomas, com diferenças de micro-segundos de troca entre elas.

Há dois anos, porém, a revista Wired previu que a fragmentação da internet em várias redes sociais estava condenada: apostou que os muros que separam essas redes seriam diluídos em pouco tempo. Até hoje, essa previsão não se cumpriu: a maior promessa feita nesse sentido, o Google Wave, foi um fiasco e, por mais que o Facebook  disponibilize vários aplicativos de integração com outras redes (como o Twitter), essa relação não parece "natural", estando sujeita a bugs e imprecisões (re-twitadas, por exemplo, não são reproduzidas pelo aplicativo do Facebook). Reportagens, blogs e sites de vídeos também disponibilizam ferramentas de compartilhamento entre redes, mas ainda há um considerável caminho a percorrer. Continuamos a administrar redes sociais quase em isolado, preenchendo nossos dados em cada uma, dialogando com pessoas diferentes, e refazendo o procedimento de postagem de  fotos, textos e vídeos.

Talvez todo esse trabalho estimule o ciclo "ascenção-queda-estagnação" das redes sociais: sendo tão difícil administrar todas ao mesmo tempo, opta-se por priorizar apenas uma, a rede "do momento", e passa-se a desprezar as demais. Orkut, Second Life e Twitter, pelo menos, já passaram por esse processo - e ainda não há evidências de que o Facebook não terá o mesmo destino, decaindo e estagnando após um período de sucesso absoluto. Hoje, embora o Twitter continue a manter muitos adeptos, vislumbra-se um processo de evasão, e as vozes dos que ficam não parecem superar a muralha que cerca essa rede. Ainda há pouco diálogo entre tal micro-universo virtual e todos os demais.

Mesmo assim, acho que a previsão da Wired nunca esteve tão perto de se cumprir. A eclosão de aplicativos de compartilhamento mostra que a exigência por integração continua a crescer - partindo tanto de usuários, que utilizam tais aplicativos com maior freqüência,  quanto das próprias empresas, que melhor poderiam administrar as informações de seus usuários se essas fossem absolutamente integradas, ao invés de fragmentadas em comunidades independentes.

Enfim, acredito que a destruição dessa muralha trará grandes conseqüências para o papel da internet na constituição e experimentação de identidades. O estímulo ao exercício de modos diferentes de ser sofrerá limitações, uma vez que o indivíduo não mais falará para públicos diferentes em plataformas distintas, mas sim para a mesma rede de contatos - que terá ligações cada vez mais explícitas com os contatos do mundo físico. Assim, enquanto em um universo virtual repleto de redes sociais particulares podemos assumir papéis variados (um personagem para o Twitter, outro para o Facebook, e assim por diante), em um contexto em que o que escrevemos ecoa em todos os locais, inclusive no próprio ambiente físico, tendemos a assumir um único papel, o mais coerente possível com o assumido nas relações face a face. É impossível prever o quanto relações virtuais baseadas no anonimato ainda deterão importância nesse contexto, mas acredito que elas não representarão um grande contraponto à tendência pela "unificação" das identidades virtuais.

De toda forma, difícil crer que esse movimento resultará em uma redução do uso das redes, ou em uma banalização desse uso, com a eclosão de uma sensação de mesmidade e tédio entre os usuários: creio, pelo contrário, que disso resultará um novo patamar do uso da internet, onde os indivíduos serão tentados a produzir muito mais informações a respeito de si mesmos, e com mais freqüência. Já vemos, principalmente no Facebook e no Twitter, esse tipo de pressão, em que a exibição de informações pessoais, o compartilhamento de vídeos, fotos e notícias, as re-twitadas de trend topics e o uso da própria ferramenta "curtir" (do Facebook) são usadas para medir o grau de participação pessoal na rede e a popularidade individual do sujeito. Com o fim da necessidade de gerenciar mil comunidades concomitantemente, acredito que sobrará mais tempo e disposição para muitos entrarem nesse engalfinhamento competitivo por mais "produção pessoal" e popularidade, resultando em um aumento massivo na participação virtual.

É claro, aos meus olhos, que mesmo que esse movimento represente uma redução do fomento  à multiplicidade identitária no uso da internet, ainda há uma compatibilidade entre ele e o processo de difusão de identidades plásticas entre os indivíduos imersos na sociedade contemporânea (de acordo com argumentação presente nos textos mais recentes do filósofo Vladimir Safatle). Em outras palavras, embora menos múltiplas, as identidades exercidas na internet tenderão a se tornar mais flexíveis do que nunca, adaptando-se com grande velocidade às tendências e modismos globais e locais, por meio da alimentação contínua de informações, tanto nos perfis quanto nas caixas de diálogo público das contas dos usuários das redes.

Obs: Lendo algumas análises, uma outra possibilidade me ocorreu, além da simples "queda do muro" que separa as diversas redes sociais: seu exato oposto, ou seja, o FORTALECIMENTO desse muro, mediante uma segmentação de públicos específicos em novas redes virtuais de sociabilidade e troca de informações. 

Há uma tendência, ainda difícil de ser plenamente avaliada, de proliferação de redes sociais voltadas a públicos determinados. O Stoa é um exemplo, mas existem muitos outros em ascensão. Não se trata de redes que almejam a inserção de um público genérico, mas antes, de usuários com pretensões bem específicas, ou que compõem uma comunidade determinada do mundo físico (no caso do Stoa, a comunidade de estudantes e acadêmicos da USP).

Desse modo, é possível que adentremos em uma era de "tribalização" virtual, em que nos fecharemos em redes sociais voltadas para aqueles que possuem interesses equivalentes aos nossos. Mas creio que essa tendência não anula outras observações da postagem, como o privilégio de uma rede perante todas as demais e um provável aumento da participação virtual de todos os usuários da internet. E ainda podemos refletir sobre o aumento do caráter flexível das identidades virtuais, com a necessidade de renovação constante de informações pessoais postadas nas redes.


Pedro Mancini

 



A devassidão da Sandy e a lógica da sociedade de consumo

6 de Março de 2011, por Desconhecido - 55 comentários

Dia desses, um novo comercial sacudiu as redes sociais: uma campanha desenvolvida pela cervejaria Devassa, em que um suposto modelo de pureza e bom-mocismo, Sandy, aparecia revelando um suposto lado "devasso". Exibindo um penteado diferente, a cantora simula uma lap dance em um palco, perante uma grande platéia masculina.



Não tardou para que várias pessoas discutissem a atuação da ex-sertaneja e o conteúdo simbólico do comercial. Entre as principais reações, destaca-se a falta de convencimento da representação de Sandy como "devassa": sua imagem de pureza parece ter penetrado tão profundamente no inconsciente de seu público, que ele simplesmente não engole quando ela foge do papel. Apontam que ela própria não estava convencida da personagem, incorporando com pouquíssimo sucesso a safadeza que lhe foi imputada. Na reportagem a seguir, chegam a contestar a "habilidade" da garota com o copo:



Outros discutem a triste adaptação da imagem da Sandy a um padrão formatado de submissão ao prazer masculino - a incorporação da artista à lógica machista, igualmente presente em populares revistas "femininas", como a Nova (que recomendam às mulheres explorar, de forma absolutamente técnica, habilidades e comportamento que servem especificamente para maximizar os prazeres do parceiro sexual). Como exemplo dessas críticas, indico a última postagem de Tica Moreno.

Mas há outro modo de compreender a utilização do "lado devasso" da artista em um comercial de cerveja. A interpretação que ofereço não é de todo antagônica à visão feminista: não há dúvidas de que a intenção da cervejaria era associar um padrão específico de mulher (que serve aos interesses carnais masculinos mais  banais) ao consumo de cerveja propriamente dito.

Mas se a intenção era somente exibir um padrão de sexualidade adaptado ao prazer masculino, por que escolheriam uma garota que é comumente associada à pureza, virgindade e ao bom comportamento (à submissão sem graça às regras masculinas e ao modelo de "Amélia", portanto)? Não era mais fácil manter a Paris Hilton como garota-propaganda, ou adotar outra modelo-atriz com uma devassa reputação pregressa?

Na verdade, o comercial diz mais sobre a sociedade contemporânea do que os primeiros comentários a seu respeito fazem supor. E o fato de escolherem a Sandy como garota-propaganda é a chave para compreendermos a estratégia de marketing da empresa: explorar uma imagem de ambivalência e de cinismo,  em que são reveladas formas múltiplas de existência, que simulam uma transgressão da norma vigente. Assim, a idéia parece ser de, por meio de uma figura santificada como a da Sandy, explorar o lado "perverso" de cada um de nós, um aspecto que contradiz - sem excluir - o lado bonzinho, que segue um padrão fixado de conduta moral. Sandy não é, assim, uma figura de pura devassidão, mas uma pessoa múltipla, em certo sentido bi-polar, que possui tanto um lado santo, quando um lado "pervertido", por assim dizer. Norma e "transgressão da norma" em uma mesma representação social.

Em uma sociedade capitalista em que os vínculos com os objetos são frágeis, é sábio aproveitar-se dessa fragilidade. Com a redução da importância e da capacidade de convencimento e de identificação de conteúdos normativos, as formas de publicidade que exploram imagens "típico-ideais" de sujeitos (como os antigos comerciais de margarina, que mostravam a típica família nuclear americana - um casal branco feliz, com um casal de filhos e um cachorro, morando na praia) caducam, sendo substituídas por propagandas que exploram, muito mais, o caráter ambíguo ou múltiplo dos indivíduos. Conseguem, assim, atingir um público muito mais amplo: não só aqueles que identificam-se a um padrão, como os que "rebelam-se" contra ele. A negação das velhas estratégias de publicidade acaba, então, sendo igualmente colonizada pelo sistema publicitário.



Assim, a Sandy parece transgredir a sua própria imagem ao agir de modo "devasso"; enquanto outros comerciais chegam a aproveitar-se da retórica da revolução para difundir sua lógica consumista nada revolucionária (lembram-se do comercial "revolução dos dedos", da Vivo, ou da "revolução da esfiha" do Habibs? O último, ainda consegui puxar do YouTube...). Vende-se a idéia, dessa forma, de que estaríamos "transgredindo" a sociedade ao consumir alguns de seus produtos.




Essa percepção foi importada do filósofo uspiano Vladimir Safatle, que estuda, justamente, a publicidade contemporânea e a retórica do consumo. Assim, a estratégia da Devassa não é tão nova, mesmo se considerarmos esse aspecto da bipolaridade, e é bem menos ousada e criativa do que as inicialmente desenvolvidas com a intenção de explorar essa ambivalência (como as marcas Versace e Calvin Klein, especialmente em suas campanhas das décadas de 1990 e 2000). A diferença, com relação à marca brasileira, está em que os dois pólos de ambiguidade explorados são baseadas em imagens machistas: a mulher pura e submissa, de um lado, e a "gostosa" e perversa, boa de cama, por outro. Pureza e safadeza na mesma pessoa (uma santa na rua, uma puta na cama) - a imagem da "mulher perfeita" para o homem comum.Mesmo assim, vende-se a representação de uma marca que costesta a lógica operante da "boa-sociedade", representada pelo bom-mocismo da cantora, violado pelos poucos segundos de duração do comercial. Uma contestação de fachada, que revela, na verdade, um outro padrão de conduta baseado no prazer masculino (mas que pode, contraditoriamente, estar presente na mais comportada das mulheres). Algo bem menos ousado do que a ambiguidade sexual explorada no passado recente pela Versace, que

"(...) se resume a fotos de um casal na cama ou em um quarto com decoração carregada e pretensões de luxo. (...) Nós sempre sabemos quem é um dos parceiros (um homem ou uma mulher bem vestidos em posição de autoconfiança, tédio e domínio da situação), mas nunca sabemos quem é o outro, já que sempre aparece sem rosto, jogado em um canto para denotar que foi usado em um jogo sexual, com roupas íntimas femininas e traços de corpo masculino. Implicações de um lesbianismo lipstick, de homossexualismo e de ambiguidade sexual são evidentes. Note-se que este apelo ao embaralhamento de papéis sexuais não é direcionado para um target homossexual. O target da Versace é composto basicamente de mulheres com mais de 30 anos" (SAFATLE, 2006, p. 61).

Vejam um exemplo dessas propagandas:

De toda forma, e apesar da limitação e teimosia brasileira em continuar a explorar uma imagem machista sobre a mulher, o objetivo dessas campanhas e daquela da Devassa tem suas similaridades: a busca por uma flexibilização de padrões de identificação. Mais uma vez citando Safatle, 

"A publicidade contemporânea e a cultura de massa está repleta de padrões de condutas construído através de figuras para as quais convergem disposições aparentemente contrárias. Mulheres, ao mesmo tempo, lascivas e puras, crianças, ao mesmo tempo, adultas e infantis, marcas tradicionais e modernas.(...) Uma época como esta permite que marcas tragam, ao mesmo tempo, a enunciação da transgressão e da norma. Até porque os sujeitos estão presos a esta lógica de ao mesmo tempo aceitar a norma e desejar sua transgressão. A publicidade compreendeu isto. Daí porque atualmente ela fala a eles visando este ponto em que transgressão e norma se inbricam" (ibidem, p. 59-60)

É uma pena que a transgressão da norma, para nós, tenha sido tão falsificada a ponto de se resumir à imagem de uma mulher que recusa-se a se limitar à figura machista de santa, apenas para explorar o aspecto igualmente impositivo da mulher enquanto objeto devasso para um puro consumo masculino. Cabe a nós, meros mortais, mostrar o verdadeiro significado da transgressão (se é que ela ainda existe),quando nem a norma, nem a sua suposta "violação" nos parece justa - submetendo-nos, ao invés de nos libertar, aos aspectos mais opressivos da lógica do consumo. 



Pedro Mancini