Ir para o conteúdo
ou

Curso de Especialização em Divulgação Científica

Núcleo José Reis de Divulgação Científica

O Núcleo José Reis de Divulgação Científica realizou sua primeira versão do Curso de Especialização em Divulgação Científica nos anos de 1992 e 1993. Após profunda reformulação, voltou a realizá-lo em 2000, com novas disciplinas e professores. Com aulas na Escola de Comunicações e Artes da USP, o Curso dispõe de disciplinas práticas e teóricas por meio das quais os alunos são estimulados a exercer a divulgação científica, nas suas mais diversas formas, embasados em sólido conhecimento sobre a ciência (incluindo todas as áreas do saber científico: ciências exatas, humanas e biológicas) e sobre as linguagens e procedimentos necessários para melhor divulgá-la. O QUE É DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA? NAS PALAVRAS DO DR. JOSÉ REIS "Tem sido objeto de especulação a data do nascimento da divulgação científica. Situam-no alguns no século XVII, quando começou a surgir a moderna ciência e o conhecimento dos sistemas do mundo passou a fazer parte da educação das pessoas. Representativo desse esforço de espalhar a ciência seria o livro de Bernier le Bovier de Fontenelle "Entretiens sur la pluralitè des mondes", publicado em 1686. Criatura extraordinária, esse sobrinho de Pierre Corneille foi nomeado secretário da Academia de Ciências e assim entrou em contato com os principais sábios de seu tempo, em particular os chamados filósofos naturais, cujas idéias absorveu e procurou difundir. "Poderíamos então considerar Fontenelle como popularizador da ciência se ele escrevia apenas para a aristocracia, que era a classe interessada nesse tipo de conhecimento, e manifestava até a convicção de que o conhecimento científico devia constituir o privilégio da elite? Dedicando sua obra a uma gentil marquesa, que se supõe imaginária, jamais escondeu que a massa ignorante não deveria ter acesso aos "mistérios" a cujo respeito se informava entre os filósofos naturais. Seu objetivo era, pois aristocratizar a ciência, em vez de massificá-la, como pretendem fazer os atuais divulgadores. "Não podemos, todavia, censurar o prestativo e culto Fontenelle pelo raciocínio que desenvolveu. Como explicar ciência a um público maior, se este era praticamente analfabeto? Somente com ampla difusão da escola se alcançaria a real popularização do conhecimento. "Essas dúvidas levaram-nos a sustentar que a divulgação científica encontra seus antepassados naqueles sofistas que, no dizer de Highet, iam de cidade em cidade ensinando aos gregos "o que nenhum outro povo do Mediterrâneo jamais aprendera, isto é, que o pensamento é, por si só, uma das maiores forças da vida humana". Dir-se-á que aqueles sofistas debatedores não ensinavam especificamente a ciência, mas a arte de pensar e duvidar. O que a nosso ver os aproxima dos modernos divulgadores é o empenho em mobilizar na população o conhecimento, qualquer que seja ele. "Diferentemente pensa a Dra. Laming, que em aprofundado estudo prefere situar o início da divulgação em 1830, e na França. Muito nos agrada registrar a localização, nesse País, do berço da atividade a que temos dedicado tantos anos de nossa vida, porque foi em livros franceses, originais ou traduzidos, que em nossos tempos jovens inundavam a irrisório preço as livrarias brasileiras, que encontramos os primeiros chamados para a ciência. "Como eram palpitantes aqueles livros, singelamente escritos pelos maiores cientistas do mundo. Numa época em que as escolas pouco faziam para dar aos estudantes um efetivo preparo científico, eles pareciam como verdadeira benção a quem sentia dentro de si, ainda mal definida, a paixão pelo conhecimento da natureza em termos objetivos. "O advento da Revolução Industrial trouxe o interesse por um tipo especial de divulgação. Com o progresso técnico alguns homens de larga visão entenderam conveniente dar aos mecânicos e outros profissionais de mesmo nível conhecimentos básicos de ciência, para melhorar-lhes o desempenho. A situação educacional da grande massa, de onde saíam aqueles trabalhadores, ainda não permitia superpor-lhes uma formação científica. Malogrou mais de uma tentativa nesse sentido, continuando a ciência limitada aos seus artífices e a reduzida aristocracia no século XIX. "Mudaram os tempos e a escolarização aumentou. Cresceu o interesse do público por assuntos de ciência e muitos jornais os incluíram em seu texto. Quando do lançamento do primeiro sputnik dobrou nos jornais americanos, segundo alguns, o espaço dedicado à informação científica, que por vezes se infiltrou nas manchetes. "Diferenciou-se em certos países uma espécie de repórter científico, espécie da qual Lorde Ritchie Calder, que começou sua carreira como jornalista de polícia, e chegou a professor de relações internacionais, constitui excelente exemplo. Não foi, todavia, fácil a penetração da ciência pelo jornalismo puro. Houve sérias lutas e graves desentendimentos, culpados ambos os lados, os jornalistas, ainda pouco diferenciados para esse mister, muito preocupados com os aspectos sensacionais da ciência, e os cientistas por vezes demasiadamente zelosos quanto à precisão da informação, entendendo caber no jornal o jargão por eles empregado em seus encontros com outros cientistas. Foi a luta do sensacionalismo com a torre de marfim. "Os progressos operados na própria imprensa e na mentalidade dos cientistas permitiram que se chegasse a um razoável meio termo e até animou o cientista a buscar com certa atividade a redação dos jornais e assumir o encargo sobre sua ciência para o grande público. "Olhando a lista dos prêmios Kalinga podemos ver que as duas categorias se acham nela representadas. Se entre os cientistas se destacam um de Broglie, um Lorenz, um von Frisch, um Gamow; entre os jornalistas temos, além do citado Calder, o pioneiro Waldemar Kaempffert. Examinando esse rol percebe-se ser maior o número de cientistas do que de jornalistas agraciados, o que talvez se explique por serem, vários dos cientistas premiados, verdadeiros apóstolos da disseminação da ciência e do amplo debate de suas implicações políticas, econômicas e sociais. Assim devemos encarar a presença de um Rabinowitch, fundador do "Bulletin of the Atomic Scientists", hoje "Science and Public Affaire", de um Abelson, há tanto responsável pela revista "Science", ou de um Piel, que fez o "Scientific American" o principal órgão de alta divulgação no mundo moderno. "No Brasil a divulgação se implantou tardiamente, se é que podemos dizer esteja ela firmada. Em nosso País, como em outros na faixa dos ainda em busca de desenvolvimento, durante muito tempo se confundiu com divulgação científica a informação técnica de natureza agrícola ou sanitária, que em certas nações, segundo podemos verificar num seminário realizado em 1963 no Chile, ainda é a única atividade que aparece regularmente com o título de divulgação científica. Esta é algo diferente do transmitir orientação sobre como fazer em determinadas situações. "A divulgação científica radicou-se como propósito de levar ao grande público, além da notícia e interpretação dos progressos que a pesquisa vai realizando, as observações que procuram familiarizar esse público com a natureza do trabalho da ciência e a vida dos cientistas. Assim conceituada, ela ganhou grande expansão em muitos países, não só na imprensa mas sob forma de livros e, mais refinadamente, em outros meios de comunicação de massa. "Recentemente um conhecido divulgador inglês, Maurice Goldsmith, hoje quase exclusivamente preocupado com os problemas mundiais de política de ciência, de que trata na revista "Science and Public Policy", que dirige, proclamou que a popularização da ciência, nos tempos que acabamos de referir, perdeu sentido no mundo atual, que por tantos meios enseja o cidadão comum sentir o progresso da ciência e sua natureza. Em lugar desse tipo de popularização o que importaria hoje fazer seria a promoção do debate em torno da implicações sociais, políticas e econômicas do progresso científico, mobilizando para isso uma classe que a divulgação em geral tem mobilizado pouco, os cientistas sociais. "Não disse novidade Golsmith, pois em mensagem que enviamos ao I Congresso Ibero-americano realizado em Caracas salientáramos a imperiosa necessidade desse tipo de ação, que deve acordar o público e os cientistas para as responsabilidades que a ciência acarreta para uns e outros. É impossível aceitar, porém a drástica conclusão de Goldsmith, que aliás reconhece o seu exagero. Pelo menos em países que se acham no estado de desenvolvimento do nosso, a experiência diz que a ciência divulgada pelo jornal encontra muitos consumidores que a ela não teriam fácil acesso. "Não podemos perder de vista nossas deficiências educacionais. A divulgação criteriosamente feita nos jornais e nas revistas serve para preencher lacunas de formação básica ou mesmo específica. Segundo nos relatou o Prof. Paulo Sawaya, nossos artigos de divulgação eram uma das principais fontes de informação atualizada dos professores que concorriam ao ingresso no magistério secundário. "Tantos anos depois de havermos começado, não é sem muita alegria que encontramos, hoje, professores eminentes que dizem haverem encontrado sua vocação em artigos que escrevemos. E que notamos não serem poucas as pessoas que, partindo da informação dada nesses artigos, encontram a pista para a solução de problemas por vezes graves, até mesmo de seu relacionamento com os profissionais a que os confiam. "Esse aspecto configura uma fase interessante da divulgação científica, que continua muitas vezes em correspondência particular, uma vez que nem todos os assuntos podem transformar-se em artigo de jornal, tão limitado o seu interesse. "Minha conclusão é a de ser a divulgação científica uma atividade útil e necessária, que mereceria apoio ainda maior do que já tem, que justificaria muito maior empenho a fim de tornar cada vez menor o desperdício de informação científica, que hoje é muito grande, segundo Thistle, pois numerosas são as barreiras que se interpõem entre a descoberta e o conhecimento científico, de um lado, e sua comunicação e absorção pelo público de outro (barreira do próprio conhecimento limitado do cientista, barreira da linguagem, barreira do segredo profissional, barreira da imprimibilidade, barreira natural do auditório). Mereceria ela, a meu ver, maior compreensão dentro das universidades, como atividade extracurricular que, sem dúvida, é das mais importantes, e como esforço, dos mais dignos, de educação do homem comum e de sua integração mais segura na sociedade a que pertence, tão profundamente influenciada pela ciência e pela tecnologia." Dr. José Reis compilado pela Dra. Nair Lemos Gonçalves Fonte: http://www.eca.usp.br/njr/
Basic information
Profile created at17 de Novembro de 2012
TipoCommunity
Members11
AdminsLucilene Moraes
Conteúdo
Blogs0 posts
Gallery0 fotos