Adminirada por muitos, demonizada por outros tantos e conhecida por todos, a FIFA hoje desempenha um papel de destaque no mundo esportivo. É ela quem organiza o maior evento de um esporte individual na face da Terra: A Copa do Mundo.É curioso perceber o papel da entidade em um mundo onde a publicidade e o marketing desempanham um papel cada vez mais central.  

O futebol tem se transformado de maneira frenética e tornado-se cada vez mais profissional. Assim, a Copa do Mundo vem acompanhando este movimento e a FIFA, responsável por sua organização, posiciona-se cada ve mais enquanto uma empresa de marketing e a Copa como um evento onde você pode ver Messi, Neymar e, principalmente os logos dos chamados parceiros FIFA.

De acordo com a Interbrand, entre 1999 e 2002 a Copa do Mundo (incluindo aí suas eliminatórias) gerou U$584 milhões em receitas com patrocínios. Entre 2007 e 2010, ou seja, em um período de 3 anos,U$1,6 bilhões. Um expressivo aumento de 136% em 10 anos. 

Aumento da receita = aumento da exposição

Adidas, Coca-Cola, Hyundai/Kia, Emirates, Sony e  Visa pagam entre U$24 milhões e U$44milhões anualmente à FIFA para serem seus parceitos. Já o patrocínio da Copa do Mundo Budweiser, BP Castrol, Continental, MTN, McDonald's, Mahindra Satyam and Seara gera para entidade entre U$10 milhões e U$25 milhões. 

E neste jogo, não já almoço grátis. Para o patrocinador, o importante é potencializar a exposição de sua marca. Não obstante o valor intrínseco que existe em patrocinar um evento como a Copa do Mundo, tudo que os patrocinadores querem é maximizar